Ras El Maa


Dia 2, Chefchaouen

O resto da tarde estaria guardado para deambular pela cidade. Perguntámos pela direcção das nascentes (Ras El Maa) e caminhámos para lá. Pelo caminho várias fotos das ruas pintalgadas de azul que dão o nome á cidade. Diz-se que o azul afasta os mosquitos e que esse será o motivo para a sua predominância nas paredes das casas. Não sei se será mesmo assim, a verdade é que é bem bonito e que não vi mosquitos por lá.

Chaouen é pequeno mas as ruas são meio labirínticas e às tantas tivemos de perguntar a um fulano o caminho para Ras El Maa.

Fomos tirando fotos, mas há que ter cuidado. As mulheres marroquinas não gostam, nem permitem fotos, e nós respeitamos, claro.

Finalmente demos com as bonitas nascentes, um considerável ponto de encontro da cidade. Para além de turistas e locais a apreciar a paisagem, por aqui também se encontram as lavadeiras que aproveitam as águas corrente do rio para a sua roupa lavar.

Não estivemos ali muito tempo. Estávamos cansados das quatro horas de trekking pela manhã e o Sol já se ajeitava para se esconder no horizonte. Voltámos às motos para regressar ao Caiat. Pagámos a “propina” ao guarda e descemos a encosta onde se situa Chaouen. Mesmo à saída da cidade, uma paragem de emergência para o Barradasprocessar” o chá que tinha bebido durante o dia… estava aflito.
Estava a ficar fresco e chegámos ao Caiat ainda com a luz do Sol. Optámos por jantar cedo no Caiat. “Pinchos” para todos, que é como quem diz espetadas. Durante o jantar conhecemos outro português por ali radicado que frequentava a cozinha do Caiat sempre que possível. Estivemos ali um pouco à conversa e depois regressámos ao quarto para o sono dos justos.



Deixe-nos a sua mensagem